Das sereias, pés e novas-máquinas

Circurnavegando pela noite
As sereias vão sempre pela esquerda
E eu pelo meio
E horizonte verticalizado
Tendências pós-tudo
Sorri, mais uma vez e me olha
Tendências pós-carências noturnas
Eu ponho um pé no chão
E os sentidos riscados do dicionário
Essa palavra já não é mais
O outro pé na fumaça
Subindo em direção ao chão
Olho mais uma vez
As luzes estão apagadas
Meio peito se enche de desejo
Viro os olhos
Mexo os dedos
E assim eu desconstruo
Conexões ousadas
Gerasensação é a nova máquina de chilrear
Canta novas canções ao pé do ouvido
Mão na nuca e oito voltas
Do lado direito novas sensações
Eu no meio e as sereias rondando