eu e a noite

Quando só há você e a noite
algumas estrelas invisíveis aparecem
a noite, manto negro, de tanto ser observada
mostra suas intimidades
virgem a ser despida
sem medo e com curiosidade
é meu olho ardente que a mostra
são meus olhos que detectam o intocável
envolvidos ambos pelo desejo mútuo
nos descortinamos
pegamos fogo e estamos nus
sozinhos, distantes, serenos, acima de tudo
ela sem olhos
eu quase invisível
nos encontramos num desencontro
o acaso
há mais verdade nessa invisibilidade
do que na realidade