Cegueira

A Felipe Cox

É um mistério que se materializa ao lado dele, não há respostas, só o etéreo desfeito e cintilante. Brilha tanto que ofusca sendo quase nada, e cegando. O mister-io do futuro ido. Impossível de pegar ou de achar. Ele estava ali, cego e sorridente. É estar cego e feliz, é não poder agir e ser agido. Não é um simples ser levado pelo brilho, mas é ter aberto os olhos e ter-se permitido cegar-se. Quis ser assim acima de tudo, permitiu-se! Cego e feliz! Tantos veem, tantos sabem, tantos fecham os olhos e permanecem vendo, mas estão ali, incertos, inserenos, inseguros, inverdadeiros. Só ele deixou-se ser por ele, cego e feliz. Como pode? Como permitiu-se? Foi um desejo. O de estar ali e ver como é a luz extrema do mistério que o cegou, vê cego a própria luz do etéreo. Invejemos...